Algumas ideias pré-concebidas nos levam a crer que alguns produtos são bons apenas se sua procedência vier com o carimbo de importado. Como no caso de algumas bebidas, por exemplo.

Muitas pessoas defendem que espumante bom é o francês Champanhe. Ninguém discorda disso, de fato. Ao mesmo tempo, a França não é a única nação responsável por elaborar alguns dos melhores espumantes e vinhos do mundo.

Várias regiões vitícolas espalhadas pelo globo produzem ótimas bebidas, cada qual com suas próprias características oriundas de seus terroirs particulares. Inclusive no Brasil, um importante produtor do chamado novo mundo, cujos espumantes, principalmente os da Serra gaúcha, gozam de prestígio internacional, colhendo premiações mundo afora.

É claro que, por ser uma região nova na produção, os espumantes brasileiros não têm a mesma fama do francês Champanhe, dos italianos Prosecco e Asti ou do espanhol Cava. Essas bebidas são mundialmente reconhecidas pelas centenas de anos em que são desenvolvidas e pelos métodos protegidos de produção.

O mais famoso vinho borbulhante do mundo é feito na região francesa de Champagne, e só os produtos oriundos dessa área têm o direito de ostentar tal nomenclatura. Mesmo na França, rótulos produzidos fora dali não podem utilizar esse nome. O Champanhe é elaborado com uvas Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier pelo método Champenoise. Essa denominação também só pode ser utilizada nas bebidas produzidas na região – mesmo na França, em outros lugares, o nome a ser utilizado é o Tradicional ou Clássico. Todos Champanhes precisam respeitar as regras do Comitê Interprofissional para Vinho Champanhe, um órgão regulador.

Na Itália, há dois espumantes tradicionais. O Prosecco, oriundo de uma área delimitada no Vêneto, é feito com pelos menos 85% da uva homônima através do processo Charmat. Já o Asti, equivalente ao nosso Moscatel, tem denominação de origem controlada em Asti, no Piemonte, e é elaborado com uvas Moscato d’Asti. Como característica, passa por um único processo de fermentação.

Outro famoso espumante no mundo é a Cava. A bebida espanhola é elaborada com uvas pouco conhecidas no Brasil – Macabeu, Parellada e Xarello. Também com denominação de origem, a bebida precisa, para ser produzida, atender regras como área delimitada para cultivo. O espumante espanhol só é feito pelo método Tradicional.

Os espumantes brasileiros vivem uma escalada global, sendo cada vez mais premiados em concursos e apreciados ao redor do mundo. Os produtos da Cooperativa Vinícola Garibaldi espelham muito bem essa realidade.

O Garibaldi Moscatel, por exemplo, já foi eleito duas vezes o melhor espumante do Cone Sul pelo concurso Catad’Or World Wine Awards, do Chile. A bebida apresenta muitas características parecidas com a de seu parente italiano, como o método de única fermentação e a utilização de uvas aromáticas para a elaboração, caso do Moscato Branco e do Moscato Giallo.

O Garibaldi Prosecco também traz nuances do produto italiano. O espumante da cooperativa também é fresco, leve e frutado. Já os espumantes da linha premium Acordes da vinícola apresentam mais evolução e maturação, como o Champanhe e a Cava, por exemplo. Em todos eles, há ótimos motivos para serem abertos e apreciados. E todos reservam qualidades como os grandes espumantes do mundo.

Quer saber mais
sobre vinhos?
Cadastre-se para receber conteúdo exclusivo

Deixe o seu comentário sobre a postagem:

Nome Completo:
E-mail:
Cidade / UF:
Comentário: